domingo, 4 de outubro de 2009

Expatriado ou exilado voluntário, que termo usar? Não importa. Procuremos nos integrar à cultura local.

Olha o selinho aí!
Longe de mim mana(o), pretender te ensinar como agir nesse caso, mas, se minha experiência puder te ajudar, vou me sentir a própria.
Antes de conhecer meu marido eu já havia morado em Lyon, Fr, onde eu fazia um curso de Biblioteconomia. Confesso que, apesar de todas as atividades que o curso propiciava entre as quais, visitas a bibliotecas e universidades célebres, eu quase abandonava tudo pela metade para voltar para casa. E correndo! E estava em Lyon, uma bela cidade. Graças ao apoio de uma amiga francesa, que é uma enciclopédia ambulante, e que me fez ver o lado bom da minha presença na França continuei até o final do curso. Veja bem, se você mora em outro país e você ainda não se integrou você vai acabar atazanando a sua vida e a de seu marido se não fizer um esforço para se integrar. Sei que no primeiro ano, não é fácil. Mas, tenha coragem. Procure fazer coisas interessantes e, principalmente, não fale mal do país e das pessoas que a (o) acolheram. Aprenda a conviver com as diferenças. Faça um curso de culinária, de corte e costura, de marionetes, de pintura, de fotografia, visite museus, vá à óperas, à concertos, etc, etc, etc. Saiba que existe clube para tudo o que você pode imaginar. Inscreva-se de acordo com sua afinidade. Se você estiver morando nesse lindo país que é a França (porque é lindo mesmo) existe clube dos museus, clube das caminhadas, clube da história, etc. Procure até mesmo um clube de amigos de língua portuguesa. Uma reunião por semana estará tri bom, do contrário você corre o risco de ver fundar uma colônia de língua portuguesa e hábitos brasileiros e lá se vai pras cucuias a sua integração onde você reside. Claro que você não vai esquecer sua cultura, nem sua nacionalidade, você vai apenas acrescentar. Atualmente, moro no norte da França. É mais frio que em Lyon. Mas, vou ser sincera: não passo o inverno na Europa. Onde moramos é muito pequeno e frio. Mas é um local de atividades agropecuárias muito bonito e cheio de história. Apesar de viajarmos muito e de meu marido ser muito atencioso, sinto falta de gente, da minha gente. E, além disso, fico só na casa o dia inteiro (não dá para sair todos os dias, né?). Então, fizemos um acordo: na primavera e no verão eu fico na França. No inverno europeu, eu venho para o norte do Brasil tocar as coisas por aqui e meu marido vem em dezembro. Em dezembro de 2010 minha cara metade se aposenta e vamos fixar residência aqui, um pouco na beira do rio e da mata (que adoramos) e um pouco na cidade. Em relação ao relacionamento com a família francesa: é ótimo e tenho muito apoio. Não tenho nada para me queixar, cada um segue sua vida e, lá, ninguém se intromete mesmo, mas, para entender o humor do povo brasileiro não é fácil para eles: ninguém entende nada! Afinal, não estão acostumados com isso. E nossas músicas, só nós mesmos curtimos. No dia a dia, dá pra viver em harmonia e organizar muita coisa juntos.

.

16 comentários:

Celia disse...

Concordo inteiramente com vc. Temos que nos adaptar ao novo pais, se queremos ser felizes. Bj

Ciça Donner disse...

Mana vou falar serio... tu tens a vida que eu pedi a Deus hahahahahahahahaha. Vou seguir todos teus conselhos pra chegar onde tu estás... quer dizer, um pouco mais pro nordeste!

Vem desfrutar do Amor de Deus disse...

Isso mesmo...voce esta certa... se adaptar a cada lugar onde se vive é o melhor e ficar onde mais gosta (quando dá né?) é o que há de melhor.
Parabens pela linda participaçao
Bjs e lindo domingo
Marcia

Nade disse...

Veneide, querida, temos que fazer a nossa parte, ter paciência, esperança de que tudo dará certo no final.
Muito legal a sua experiência e obrigada por dividi-la conosco! Uma curiosidade: pra qual cidade do norte do Brasil você vai? É que sou paraense, mas moro em Porto Alegre...
Bela participação!
Também estou participando dessa, mesmo que more no Brasil, mas sou uma 'desnaturalizada'... rsrsrsrs
Bjs, querida!

Nade disse...

Veneide, querida, que maravilhosa descoberta!
Mais uma da região mundo afora!
Amo maniçoba, de paixão e de comer rezando!
Ai, nem me fala que já estou com uma certa trizteza de não está lá acompanhando o Círio... Vou acompanhar de novo pela internet... Vou linkar você também!
Bjs, querida!

Anônimo disse...

Waouhhh !!!
Voilà qui est bien parlé et bien sûr je suis entièrement d'accord avec toi.
Tu as omis juste une chose : le reste du monde.
j'ai bien l'intention d'aller avec toi voir les autres civilisations du monde. Il en reste quelques unes que nous ne connaissons pas.
Ne ranges pas ta valise LOL
beijo Quérida
Daniel

Eu, sem clone disse...

Marido tem razão, eheheh! Si je dis le contraire, fait le sourd, s'il te plaît, chéri. La valise, je la ferai en vitesse. lol. beijos de amor

Anathalia disse...

Olá! Obrigada pela visita ao meu blog! Eu já fui uma despatriada na França também. Morei durante 1 ano em Nancy. AMO a França! Quem sabe um dia volta a ser despatriada por essas bandas de novo? rs! Um beijo!

Georgia disse...

Sem cortarmos o cordao umbilical nao há adaptacao que dê certo.

Abracos

VANUZA PANTALEÃO disse...

Saudade de você, Veneide!
É verdade, temos que, ao menos, tentar nos adaptar aos modos e costumes do país onde nos fixamos.
Seus textos são muito didáticos, você faz falta!
Apareça sempre, obrigada!!!Bjss

Bete disse...

Ola querida
É difícil, mas faz parte.
Tenho uma irmã que mora na França ha 9 anos e sempre me fala de suas duificuldades.
Bom saber de voce.
Bjs

O Profeta disse...

...Às vezes uma intensa alucinação
Em que viajas pelo meu eu
Às vezes o mundo fica em espera
Da união do mar com o céu

Onde param os teus anseios
Onde encontras a sublime calma
Nestes dias de dura tormenta
Onde aqueces a tua alma?

Voa comigo...


Mágico beijo

bel lepikson disse...

Obrigada pela sua visita e seu comentário lá no blog.

Parabéns também para você, que conseguiu montar sua vida tão bem!

Seria um sonho se eu pudesse fugir do frio. Apesar de já estar muito acostumada ao inverno (aqui em Barcelona é relativamente ameno) penso que viver de primaveras e verões deve ser uma maravilha!

Um abraço,

Bel

Carla disse...

Concordo pleanamente, até porque é importante sermos felizes
beijos e boa semana

RoseStaccone disse...

Oi prima linda, que saudades que tava do teu blog de respirar esse ar fresco que circula por aqui!!! E vc? rsrsr Vc è a rainha da adaptaçao. e ja disse Darwin que adaptaçao = evoluçao! e se ele disse nao cabe espaço pra duvidas...Mas tem tambem um ditado popular que diz assim: "a gente se acostuma com tudo, atè com o que nao presta" rsrsrs
Eu pessoalmente as vezes paro e penso... que ja vivi no minimo 10 vidas diferentes nessa mesma vida... beijinhos.

Ernâni Motta disse...

Veneide,
O nosso espírito acho que não tem Pátria ou estado... rs. Veja, eu resolvi morar aqui, no RJ, ainda não sei porquê, no início não foi fácil, mas, hoje, não saio mais daqui. Ir a Macapá é uma delícia, revejo meus irmãos, parentes e amigos, adoro a culinária, enfim, não "despluguei" das minhas raízes, porém, não consigo ficar muito tempo longe do Rio, eu acho isso engraçado.
Uma ótima semana para você, no Brasil ou na França!
Um abração.

Uma coisa que adoro.

Uma coisa que adoro.
No inverno, fica tudo assim. Foto:D.B.

Os lagos

Os lagos
Pegamos nossos remos e varejões e saímos com muito cuidado para não triscar nos jacarés e sucuris. Foto: Veneide