sexta-feira, 23 de maio de 2014

Mudança de atitudes, já! (II)

Publicado no Diariodoamapa.com.br no dia 22.05.2014.

O ano eleitoral inflama os discursos políticos e as estratégias na ânsia de atrair os votos obrigatórios dos eleitores pouco ou nada politizados. Os partidos fazem alianças com aqueles que atraem votos. O que nem sempre representa o melhor para a sociedade, mas pode representar o melhor para os partidos porque querem, a todo custo, que seus candidatos sejam vitoriosos. Tudo é um grande jogo. O interesse continua o mesmo: pessoal. Quem se diz esclarecido, assim continua e vota. Só que o voto pode ser parcial ou imparcial, nem sempre objetivo. Quem não é amigo de político, vota naquele que lhe parece mais viável segundo as suas próprias convicções ou vota em branco ou anula. Triste atitude.
As antigas barreiras que se levantaram para a abertura e a popularização do conhecimento dirigido para os mais desfavorecidos, continuam a ser disfarçadamente levantadas, malgrado ter muita gente empenhada em bons projetos de educação em nosso país.E como a vida e o tempo não pedem opinião para passar, a vida passa tristemente transferindo o fardo pesado de pais para filhos que, por sua vez, continuarão a trocar seus votos por migalhas ou por uma bolsa desemprego. O que é muito ruim para o país. Se as pessoas não mudarem o seu interior como podemos querer que as coisas mudem?
A oportunidade de educação, de trabalho e de lazer para todos continua sendo a melhor opção para se criar uma sociedade livre e produtiva. E, lazer, não é apenas construir praças para os mal educados jogarem seus lixos de restos de comida, e, depois irem reclamar que não existe limpeza pública, como se vê nas praças da orla e nas ruas de nossa cidade. A limpeza deve ser feita primeiro na própria mentalidade e no comportamento.
Os investimentos em geral e o compromisso com o bem comum ainda são os requisitos para tirar um povo da violência e da miséria mental. Por outro lado, ficar rezando ou orando, deixar passar as oportunidades esperando que caiam do céu ou se repitam é conformismo, comodismo e certeza de desastre.
Perseguir o sucesso é atitude dos vitoriosos, porém, é imprescindível se investir mais na educação básica por ser a mais freqüentada pela camada da população mais necessitada. Com muito sacrifício ou mesmo raramente, ou nunca, um jovem pobre conseguirá chegar até a universidade. Em especial os jovens dos municípios afastados da capital como, Tartarugalzinho, Calçoene, Amapá, Cutias, etc. A maioria abandona os estudos quando se vê diante da necessidade de emprego, ou de uma situação de risco, ou da dificuldade dos agentes públicos em disponibilizar meios para que esses jovens levem seus estudos adiante.
As situações que provocarão mudança de atitudes e melhoria de vida para o povo precisam ser previstas. Todos devem empenhar-se em recuperar valores que provoquem a mudança interior das pessoas e investir na infância e na juventude. Inclusive na mentalidade política.
O verde e o amarelo de nossa bandeira que tanto valorizamos no futebol deve ser motivo de orgulho também na educação e na cultura. Afinal, temos muito mais do que futebol, carnaval, corrupção e bundas para mostrar ao estrangeiro."

Um comentário:

Eduardo Correia disse...

Ola amiga, adorei seu blog. Estarei sempre verificando suas publicações.
Um agraço.

Uma coisa que adoro.

Uma coisa que adoro.
No inverno, fica tudo assim. Foto:D.B.

Os lagos

Os lagos
Pegamos nossos remos e varejões e saímos com muito cuidado para não triscar nos jacarés e sucuris. Foto: Veneide