quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Dentro da floresta, lagos e igarapés!

Visite as fotos recentes no slide show. Veja também um pouco de Caiena, capital da Guiana Fr., no nosso "caminho" entre a França e o Brasil.

Um dos trechos da floresta depois de atravessar o igarapé com os poraquês.


Bebendo água de cipó. Uma delícia. A água que havíamos levado já estava acabando.


Nessa altura do caminho, para facilitar para mim que já havia caido 2 vezes, meu marido já havia tirado o pouco peso que eu carregava (uma mochila quase vazia e a máquina fotográfica, mas também para não molhar, rsrsrs).

Nesse último sábado fomos aos fundos dos terrenos para ver a cerca que o vizinho construiu. Fotografamos e voltamos. Havia muita lama, água, pau caído pelo chão e muita mata. Medo de deparar com uma onça. Dessa vez não fomos de canoa pois as águas já estavam baixando e, para passar pelas partes altas com a canoa já está impossível. Fomos a pé e tivemos que enfiar as pernas dentro de tudo que atravessávamos com um baita cuidado (e receio) de meter o pé num jacaré ou esbarrar num poraquê ! Felizmente não aconteceu, mas o caseiro só falou que viu 3 poraquês passarem na nossa frente depois que atravessamos uma série de igarapés! Senão, eu não aceitaria esses atalhos lacustres! As botas pesavam com a lama que acumulavam e as águas que entravam até que encontrávamos um riachozinho para lavá-las. As pernas triplicavam o seu peso e, quando precisávamos levantá-las para atravessar um tronco meio caido no chão aí sentíamos o problema. Pegamos algumas quedas com um saldo de hematomas para mim e espinhos na mão do caseiro que, ao cair num buraco dentro d'água se apoiou num pé de açacu ou coisa parecida. Só meu marido não caiu, o sortudo! Mas a aventura mais uma vez valeu a pena pois eu adoro entrar na mata! Devo ter muito sangue índio em minhas veias. Ou, quem sabe, sangue de onça?

Nota:
Poraquê (Electrophorus electricus) é espécie de peixe actinopterígio, gimnotiforme, que pode chegar a três metros de comprimento, e a cerca de trinta quilogramas, sendo uma das conhecidas espécies de peixe-elétrico, com capacidade de geração elétrica que varia de cerca de 300 volts a cerca de 0,5 ampère até cerca de 1.500 volts a cerca de 3 ampères.
"Poraquê" vem da língua indígena
tupi, e significa "o que faz dormir" ou "o que entorpece", dado às descargas elétricas que produz.
Também é chamado de
enguia, enguia elétrica, muçum-de-orelha, pixundé, pixundu, pixunxu, ou, simplesmente, peixe-elétrico, embora não seja o único "peixe-elétrico" existente.
Típico da Amazônia (rios Amazonas e Orinoco), bem como dos rios do Mato Grosso, também encontra-se em quase toda América do Sul. (Wikipédia).




.

19 comentários:

Roseane, disse...

Égua da mulher corajosa...ótimas fotos!

ROSA E OLIVIER disse...

Belas fotos...e para ti..."eu te amo, perdoa-me, eu te amo."...!?...besos

cameliadepedra.blogspot.com disse...

Que blog espetacular o seu . Muitas coisas para aprender aqui. Voces sao mesmo uns aventureiros, que coragem de se embrenhar na mata assim! Quanto ao Memorial Shoah, nao me lembrava o nome do museu, mas estive nele mesmo , no Marais ha uns 3 anos atras. Com meu marido e minha filha que na epoca tinha quase quatro. Nao vimos quase nada por que ela estava tao cansada de ver museus que abaixava a cabecinha dentro de um carrinho sentada, em sinal de protesto e entao saimos logo. Este ano quando fui para Paris passei por este museu algumas vezes, fui varias vezes nessa rua, mas nao entrei. Existe um museu em Washington, sobre o holocausto, que é o mais triste na minha opinião. Ele ja é construido para voce entrar no clima, desde a porta de entrada, ate o corredor de saida, "a casa de Daniel". Passando pelo meio onde voce ve coisas singelas mas que dizem tudo, como montanhas de sapatos dentro de um vagão de trem. Enfim, é um museu moderno, mas que leva pungentemente o ser humano a pensar que especie louca somos nós.
Beijos,
Cam ( quando meu blog consertar, vou linkar o seu certamente. Amiga da Roseane? Ah isso diz tudo)

tita coelho disse...

muito legal Veneide!!!!! E bota coragem nisso kkkkkk, eu já sou meio medrosa para essas coisas :)
beijos

Menina do Rio disse...

Uma aventura e tanto! Imagens lindas!

Um beijo pra ti

Tio Aderbal disse...

voltei sobrinha.

abraços

Tio Aderbal

Ricardo Rayol disse...

caraca!!

Carlos Emerson Jr. disse...

Sensacional!

Eu gosto muito dessas caminhadas dentro da mata mas a maior dificuldade aqui, na serra fluminense, é o preparo físico para subir e descer morro!
E tomar cuidado com cobras e vespas.
Em compensação, o clima mais seco e frio facilita muito.
Gostei muito!

Crisfonseca disse...

Fotos de pura aventura e coragem
Belas fotos e bela aventura.
Imagino as belas paisagens que vc pode presenciar, e sem falar em algumas espécies de passáros, animais e plantas.
Beijos,
Cris

Kiara Guedes disse...

Nossa! A Roseane tem razão, eita coragem, eim!!!... Então mulher, meu novo amor é mesmo a Africa do Sul, estou completamente apaixonada, como nunca fui por outro pais se não o Brasil!!! Mas estou em Macapá, alguém que trabalhar né! rsrsrs
Bjs

Andreia do Flautim disse...

A natureza!=)

P.S. Obrigada pela visita!=)

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Oi, Veneide! Como é que vc foi parar aí, mulher? E que aventura! Eu a admiro muito, sabia? Porque nunca seria capaz de fazer metade do que vc faz. Querida, postei hj de novo, pois quando fiz aquela outra postagem passei por maus bocados. É longo, portanto, escolha algo para ler ou apreciar, pressione a tecla "Page down", que todos os computadores têm, e faça o seu comentário. Se quiser apreciar tudo, o post está lá, basta ir outro dia.
Um beijo,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
Se a conexão não cair, vá com o "Page Down" até o fim e curta o meu jardim

david disse...

Pessoas de coragem...

Voltamos a ativa Veneide. Saudades :)

Roseane, disse...

Não esquece de bater fotos das comilanças...

Marcos disse...

Me deu saudade dos meus tempos de amazônida em Rondônia, Amazonas e Pará, tempos em que metia na mata para aventuras. Até me veio às narinas o cheiro do mato que ´diferente dos cheiros da Mata Atlântica.

beto melodia disse...

olá, vaneide.

um blog espetacular, assim como curtos trechos de suas aventuras que li.
já está entre meus favoritos e o deguistarei com calma, à noite...

beijos em seu coração

Roseane, disse...

Querida me diga o que é calor, pois acho que já esqueci...bjks

B disse...

Ola Veneide
Obrigada pela visita e pelo carinho.
Gostei muito das fotos, conheço um pouco esse pedaço de chao, Monnya nasceu em Caienne.
Abraços.

Bete disse...

.....Claro que conheço somente a terra firme rsrsrsrs!!!.
Parabens pela coragem e aventura
Bjs

Uma coisa que adoro.

Uma coisa que adoro.
No inverno, fica tudo assim. Foto:D.B.

Os lagos

Os lagos
Pegamos nossos remos e varejões e saímos com muito cuidado para não triscar nos jacarés e sucuris. Foto: Veneide